DM Autos

Toyota Corolla Altis 2020. Veja o teste com a inédita versão híbrida flex

Impressões ao dirigir o sedã mais vendido do mundo com um motor a combustão flex e dois elétricos.

diario da manha

O Toyota Corolla Altis 2020, modelo da nova geração, foi para as ruas e estradas com o DMAutos. A versão cedida pela fabricante japonesa para avaliação foi a Altis Premium, com o inédito e exclusivo sistema híbrido flex.

O conjunto propulsor que integra a nova tecnologia do Toyota Corolla Altis 2020 associa três motores. O principal é o propulsor 1.8 16V, a combustão, que rende até 101 cv. Ele pode ser abastecido com álcool ou gasolina ou os dois combustíveis juntos, em qualquer proporção. É combinado com dois elétricos, que geram juntos 72 cv de potência.

A transmissão que está associada ao motor é a Hybrid Transaxle. Ao invés de polias e correias como nas tradicionais CVT, a transmissão da versão híbrida que testamos usa planetárias e simula sete marchas. Rodamos na versão Altis Hybrid Flex durante 20 dias e o resultado você acompanha a seguir.

O Toyota Corolla da 12ª geração não é apenas um novo carro, desenvolvido a partir de uma nova plataforma, com um design marcante e bem servido de tecnologias focadas na segurança.

O sedã da marca japonesa, líder de vendas no Brasil em seu segmento, chegou ao mercado em setembro de 2019 com um sistema que combina motores elétricos e a combustão inéditos. Resumindo: O Toyota Corolla 2020 é o primeiro modelo híbrido flex do mundo e o primeiro a ser fabricado no Brasil.

A tecnologia ecológica inédita que o Toyota Corolla Altis 2020 estreia teve como base de desenvolvimento o Prius, lançado em 1997. O modelo surpreendeu naquele ano com a combinação de um motor a combustão, a gasolina, com um elétrico alimentado por bateria.

Os resultados tirados do Prius, com sua aparência um tanto exótica, ajudaram na construção da nova tecnologia empregada no sedã Corolla.  A bateria fica montada embaixo do assento traseiro, o que proporciona mais segurança e aproveitamento de espaço.

Bateria

A bateria híbrida de níquel-hidreto metálico está localizada embaixo do banco traseiro. A peça não compromete o espaço interno para os ocupantes. Ela é responsável por alimentar o motor elétrico do Corolla, cujo sistema de freios é regenerativo. Ele acumula a energia cinética gerada pelas frenagens e a transforma em energia elétrica. Isso garante maior autonomia ao modelo no modo elétrico.

Segundo o Inmetro, o Toyota Corolla Altis 2020 híbrido é capaz de rodar 14,5 km/l na estrada e 16,3 km/l na cidade quando abastecido com gasolina. Com etanol, o modelo roda 9,9 km/l na estrada e 10,9 km/l na cidade. Além disso, ele é o carro movido a etanol mais eficiente do Brasil com 1,38 MJ/km.

Diferentemente dos veículos com motor a combustão, os híbridos têm melhor consumo na cidade, onde rodam o maior tempo com motor elétrico. Daí, o fato de os números de consumo do Corolla Hybrid Flex apresentarem melhores resultados, tanto com etanol quanto com gasolina, em perímetros urbanos.

Nenhum outro modelo é capaz de utilizar etanol e gasolina, em qualquer proporção, combinando propulsor a combustão com motor elétrico. Só mesmo Toyota Corolla na versão Altis.

A Toyota saiu na frente e lançou a nova geração do modelo mais vendido no mundo de uma forma que nenhuma outra marca fez até o momento. Ser híbrido flex é privilégio do Corolla.

A nova tecnologia híbrida impulsiona as vendas do Toyota Corolla, que detém praticamente a metade do mercado entre os sedãs médios emplacados no Brasil.

Sistema híbrido flex

As maiores novidades do Toyota Corolla 2020 não são seu novo design e as novas tecnologias disponíveis no modelo. A atração é, sem dúvida, o novíssimo e único sistema hibrido flex.

São três motores que fazem a propulsão do carro, sendo um a combustão, o 1.8 16V flex, aspirado de ciclo Atkinson, de 101 cv de potência (etanol), e dois outros elétricos, que geram 72 cv de potência. Em termos de torque, o motor 1.8 rende 14,5 kgfm e os elétricos somam juntos 72 cv de potência.

O novo Corolla é produzido na fábrica de Indaiatuba (SP) sob a nova plataforma GA-C, baseada na arquitetura global TNGA (Toyota New Global Architecture).

Investimento

A montagem do modelo da nova geração sobre essa plataforma, a mesma de produção do Prius, resultou em um investimento de R$ 1 bilhão na planta da marca no interior paulista.

Nas dimensões, o Toyota Corolla mudou um pouco, mas na rigidez torsional a melhoria foi significativa, chegando a 60%, e o número de componentes é 30% maior. A suspensão traseira agora conta com braços duplos no lugar do eixo de torção.

O Toyota Corolla cresceu 1 mm no comprimento e na largura, medindo agora, respectivamente, 4,63 metros e 1,78 metro. Os 2,70 metros de entre-eixos foram mantidos em relação ao antecessor. Na altura, porém, o novo Corolla diminuiu. Com 3 cm mais baixo, o sedã da 12ª geração ficou com 1,45 metro.

Com isso, o centro de gravidade baixou em 1 cm e deixou o Corolla com um perfil mais jovial é ajudou a afastar o estilo “tiozão” que sempre caracterizou o modelo da Toyota.

Toyota Corolla Altis 2020: Conforto interior

A evolução na cabine é marcante no acabamento, ergonomia e na disponibilidade de porta-objetos. O conforto interior é notado de imediato. Os materiais de revestimentos utilizados são de excelente qualidade.

No painel e portas as peças emborrachadas são macias ao toque, com costuras de verdade. Cada detalhe no interior do Corolla guarda um pouco de nobreza no acabamento.

O teto solar elétrico com função antiesmagamento, de série na versão Altis 2.0 e opcional na Altis Hybrid Flex, cria a sensação de liberdade quando aberto e reforça o aspecto jovem e luxuoso do veículo.

O porta-malas tem capacidade para 470 litros de capacidade, ideal para um modelo sedã médio. Ainda com relação ao painel, a peça bem limpa e com um desenho marcante foi posicionada mais embaixo. Isso acabou melhorando de forma significativa a dirigibilidade. O painel meio que retro adotado no antecessor não invade mais o campo de visão do condutor.

Multimídia intuitivo

No interior, destaque também para a nova tela multimídia flutuante de 8”. O equipamento fica na parte central do painel, no alto, tipo flutuante. É bastante intuitivo e traz integradas as plataformas Android Auto e Apple CarPlay.

Pelo fato de proprietários do modelo terem pedido, a fabricante manteve os comandos físicos, o que justifica os botões nas laterais da tela. Na versão híbrida flex testada, o visor TFT colorido de sete polegadas, mostra em detalhes o funcionamento do sistema híbrido em tempo real.

Nesse ponto, o funcionamento do sistema híbrido projetado nas telas do painel de instrumentos e na do multimídia, induz o condutor a utilizar os motores elétricos para economizar mais. É isso mesmo.

Bem visíveis, as informações mostram quando está em operação apenas o conjunto elétrico ou apenas o motor a combustão ou os dois juntos. Mostra também a energia que está sendo gerada para a bateria e quando está sendo enviada para o motor elétrico. O certo é que o motorista quer sempre fazer uso apenas da energia armazenada na bateria.

Novo carro  

Em nada o novo Toyota Corolla se parece com seu antecessor, exceto nas laterais. Na frente, chama a atenção a entrada de ar central presa ao para-choque e que oferece um toque de esportividade. A grade, por sua vez, invade e conecta os faróis com frisos cromados.

O logo da Toyota tem a cor Azul na versão híbrida flex. As luzes de neblina têm contornos na cor prata e marcam bem a carroceria. Já os faróis full Bi-Led da versão Altis são mais sofisticados, com traços luminosos que convergem para a grade.

A traseira ostenta linhas suaves e recheadas de elegância no design e no desenho das lanternas em LED. Uma barra cromada  cortando a tampa e unindo as lanternas, completa o charme. O acabamento interno é impecável nos detalhes e na qualidade dos materiais usados.

Um pecado é a manutenção do freio de mão por sistema de alavanca, o que já está em desuso nos carros do porte do Corolla. Talvez uma providência que teve foco a redução de custo.

Nos itens de segurança, a marca não economizou. Desde as versões mais em conta, o modelo já sai de fábrica com controles eletrônicos de estabilidade e de tração, Isofix com Top Tether para cadeirinhas infantis, ABS com EBD e sete airbags, incluindo o de joelhos do motorista.

Novidade mais considerável é o sistema Toyota Safety Sense (TSS), que adiciona assistentes semiautônomos de condução.

Suspensão

Todas as versões do Corolla 2020 incorporam uma suspensão dianteira independente tipo McPherson com molas helicoidais e barra estabilizadora. A nova suspensão traseira é independente, double-wishbone, com molas helicoidais e barra estabilizadora.

Desenvolvida para oferecer excelente estabilidade e maior conforto de condução, sua eficiência está mais do que comprovada no Corolla da nova geração.

O Toyota Safety Sense vem de série na versão Altis 2.0 e híbrida. O pacote conta com controle de cruzeiro adaptativo, farol alto automático, assistente de permanência em faixa (faz leves correções no volante) e frenagem automática de emergência com alerta de colisão.

O funcionamento de cada um desses recursos ocorre com o auxílio de uma câmera instalada no alto do para-brisas (à frente do retrovisor interno) e de um radar integrado ao escudo na grade.

A versão Altis com o novo motor 2.0 flex, a combustão, de 177 cv (etanol), é a única que oferece com exclusividade os recursos semiautônomos que integram o pacote Premium. Esse pacote é único opcional do Altis híbrido flex e acresce R$ 8 mil ao valor da versão.

O kit adiciona banco elétrico para o motorista, acabamento bicolor da cabine, ar-condicionado de duas zonas, rodas aro 17 diamantadas, sensor de chuva, retrovisores com rebatimento elétrico e teto solar, item inédito no Corolla. Não há paddle shift no volante no Altis híbrido.

Versões e equipamentos

O Novo Toyota Corolla é vendido nas versões GLi 2.0 CVT, XEi 2.0 CVT, Altis Premium 2.0 CVT e Altis Hybrid Flex 1.8 CVT. A versão Altis 2.0 traz de série o pacote Premium, que é opcional na Hybrid Flex 1.8. Desta forma, a Hybrid Flex ganha outra configuração Premium com esse mesmo pacote.

Com os preços rejustados em maio, as versões passaram a custar R$ 105.990 (GLi), R$ 116.990 (XEi), R$ 134.990 (Altis Premium 2.0) e R$ 134.990 (Altis Hybrid Flex). Com o pacote Premium a versão Altis híbrida  salta para R$ 142.490.

O Corolla GLi 2.0 CVT, versão de entrada da linha do novo Corolla, traz de série sete airbags (incluindo o de joelhos para o motorista), ABS com EBD e BAS, controles eletrônicos de estabilidade e de tração e Isofix com Top Tether para cadeirinhas infantis.

Na lista entram também vidros elétricos nas quatro portas, rodas de liga leve aro 16, ar-condicionado manual, direção elétrica, volante com comandos, faróis de LED com luzes diurnas e central multimídia de 10 polegadas com camera de ré, Apple CarPlay e Google Android Auto.

O Corolla XEi 2.0 CVT oferece ar-condicionado automático digital, chave presencial com acionamento do motor por botão, cabine com revestimento de couro, retrovisor interno eletrocrômico, modo Sport, paddle-shifts no volante, faróis de neblina de LED, rodas de liga leve aro 17 e controle de cruzeiro.

Versão Premium

Por sua vez, o Corolla Altis Premium 2.0 CVT, versão mais completa com o novo motor 2.0 flex e a caixa CVT de dez marchas, traz todos os equipamentos da XEi e adiciona faróis e lanternas Full LED, rodas de liga leve aro 17”, com acabamento diamantado, Pacote Premium (interior com revestimento bicolor (preto e bege), banco do motorista com regulagem elétrica, ar-condicionado de duas zonas, sensor de chuva, teto solar elétrico, retrovisores com rebatimento elétrico), maçanetas internas prateadas, grade frontal com acabamento preto brilhante e o pacote TSS (Toyota Safety Sense), com farol alto automático, assistente de permanência em faixa, controle de cruzeiro adaptativo e frenagem automática de emergência com detector de obstáculos.

O Corolla Altis Hybrid 1.8 CVT, versão híbrida de acesso, descarta os itens exclusivos do pacote Premium, que vem de série com o motor 2.0 flex. Desta forma, não possui acabamento bicolor, ar-condicionado de duas zonas, banco elétrico do motorista, teto solar, sensor de chuva e retrovisores retráteis.

Em compensação, o Corolla Altis híbrido traz de série o sistema TSS, que reúne farol alto automático e os recursos semiautônomos. Exclusivamente, o Corolla híbrido conta com visor TFT colorido de sete polegadas atrás do volante.

A versão Altis Premium Hybrid 1.8 CVT, que nós testamos ao longo de 20 dias, tem todos os itens do Altis Premium 2.0 CVT, exceto o paddle-shifts no volante e o conjunto mecânico. O sistema híbrido do Corolla tem garantia de 8 anos.

Impressões ao dirigir o Toyota Corolla Altis 2020 Híbrido Flex

Dirigir o Toyota Corolla Hybrid Flex 1.8 provoca uma sensação de conforto e comodidade. Por fora, um sedã da nova geração bem desenhado, oferecendo uma harmonia perfeita entre o design da carroceria e para-choques com os faróis Bi-Led, grades, lanternas e rodas de 17”.

O padrão antigo é coisa do passado e o novo Corolla aponta para a plena modernidade no conceito.

O interior é bastante confortável e a posição de dirigir ficou muito melhor com o novo desenho do painel, mais horizontal nas formas, e agora mais rebaixado na altura. A direção, com giros precisos, é bastante leve e segura.

Graças à nova plataforma GA-C, com conceito TNGA, o campeão e vendas da Toyota ganhou mais equilíbrio na parte dinâmica e atinge o seu melhor estágio.Um pecado é o fato de o freio de mão ainda ser com a obsoleta alavanca.

Ultrapassados também são os puxadores instalados no assoalho para abrir o tanque de combustível e o porta-malas. Contudo, o excelente acabamento interno, com o uso de matérias de excelente qualidade, compensam o que já deveria ser descartado.

Ponto para a fabricante, que ampliou de três para cinco anos a garantia do modelo. No caso da versão híbrida flex, a garantia do sistema é de 8 anos.

A tela multimídia de oito polegadas é bem ágil e de fácil manuseio. O quadro de instrumentos com o visor TFT colorido, por sua vez, dá um toque de sofisticação. Ao volante do Altis Hybrid Flex 1.8 o motorista acompanha nas telas TFT e do multimídia o sistema híbrido em operação.

A reação não é outra senão a de ficar motivado a dirigir com mais economia. O Corolla híbrido tem uma aceleração imediata e deixa satisfeito quem busca desempenho.

Quer saber sobre o consumo? Anota ai então. Rodamos com álcool no tanque. Chegamos a marcar 18,3 km/l na cidade, onde o sedã roda bastante com motor elétrico. Na rodovia, o consumo ficou bem abaixo, mas nem por isso dá pra dizer que o Corolla Hybrid Flex 1.8 é gastador. Longe dessa afirmação. Os aproximados 15 km/l surpreenderam.

Os números oficiais aferidos pelo Inmetro estão próximos dos que alcançamos na direção do Corolla híbrido (veja abaixo).

Toyota Corolla Altis 2020: Consumos

Programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro
Urbano: 16,3 km/l (G) e 10,9 km/l (E)
Rodoviário: 14,5 km/l (G) e 9,9 km/l (E)
Média: 15,4 km/l (G) e 10,4 km/l (E)
Autonomia na estrada: 662,2 km (G) e 447,2 km (E)

FICHA TÉCNICA

Motor: 4 cil. em linha, 1.8, 16V, 4 cilindros em linha, comando duplo, injeção eletrônica, flex + 2 motores elétricos (MG1/MG2)
Potência:101 cv a 5.200 rpm e 72 cv (elétrico)
Torque: 14,5 kgfm a 3.600 rpm e 16,6 kgfm (elétrico)
Câmbio: Automático CVT Hybrid Transaxle
Direção: Elétrica progressiva
Suspensão: Independente  McPherson na dianteira e braços duplos na traseira
Freios: Discos ventilados na dianteira e discos sólidos na traseira
Rodas e Pneus: 225/45 R17
Comprimento: 4,63 metros
Largura: 1,78 metro
Altura: 1,45 metro
Entre-eixos: 2,70 metros
Tanque de combustível: 43 litros
Porta-malas: 470 litros
Peso: 1.440 kg
Garantia: 5 anos
Conjunto híbrido: 8 anos de garantia

Comentários