Cotidiano

Em protesto, fiéis pedem retorno do padre Robson à Basílica de Trindade

O padre era investigado por desvio de dinheiro na associação, mas processo foi interrompido pela justiça

diario da manha

Na manhã deste sábado (23), um grupo de fiéis fizeram um protesto pedindo o retorno do padre Robson de Oliveira nas missas da Basílica e da presidência da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), em Trindade, região metropolitana de Goiânia.

O padre era investigado pelo Ministério Público por desvio de dinheiro na associação, mas o processo foi interrompido pela justiça.

O protesto começou por volta das 11 horas e reuniu um pequeno grupo de fiéis em frente a Basílica Divino Pai Eterno. De acordo com um dos organizadores do ato, Braz José Souza, o movimento é pacífico e tem o intuito de não só pedir o retorno do padre, mas também a realizações de missas e orações.

Padre Robson, é fundador e ocupava a presidência da Afipe. Também era o reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno. O padre está afastado da associação e teve os direitos de realizar celebrações suspensos temporariamente, no dia 21 de agosto do ano passado.

Batizada de ” Vendilhões”, a operação do Ministério Público apreendeu diversos documentos e equipamentos eletrônicos na casa do padre e em endereços ligados a Afipe. A investigação apontava que ele teria desviado dinheiro de ofertas dos fiéis, que seria usado na construção de nova Basílica de Trindade.

Em outubro, a justiça tinha determinado que as investigações deveriam ser interrompidas por entender que não estavam presentes no processo os crimes apontados pelos promotores. Portanto, no dia 4 de dezembro, a decisão do presidente do Tribunal de Justiça de Goiás autorizou a retomada da apuração.

O ministério Público chegou a denunciar o padre e outras 17 pessoas por organização criminosa e lavagem de dinheiro. Os promotores de justiça afirmam que o padre comandava uma organização criminosa e transferia grandes valores para empresas, com o objetivo de utilizar o dinheiro das entidades religiosas criadas por ele como seu, sem prestar contas nem se submeter às regras associativas.

Comentários