Cotidiano

Jornalismo goiano perde excelência de João Spada

Jornalista e designer era responsável pela parte gráfica e visual do jornal impresso do DM

diario da manha

O jornalismo perdeu na tarde desta segunda-feira, 23, o designer gráfico João Spada, um dos mais conceituados profissionais da área no país. Ele estava com 59 anos.

O profissional trabalhava em casa quando sofreu um enfarte fulminante.

Spada atuou em vários órgãos de imprensa. Atualmente editava a parte gráfica do Diário da Manhã.

Experiente e militante do jornalismo impresso, Spada aliava um design objetivo e atento às modernidades: evitava abuso de cores e optava por fontes clássicas redesenhadas por designers modernos.

Era um pesquisador habitual de tecnologias e softwares, sempre demonstrando interesse pelas novidades das indústrias gráficas.

Humanista, costuma demonstrar sem meias palavras sua opção política: era da “velha esquerda”, a que não se corrompia nem dialogava com a política sectária.

Spada era ativo nas redes sociais. A última contribuição ocorreu na publicação do amigo Welliton Carlos, que também edita o DM. O jornalista falava da eleição ‘surreal’ de Goiânia, que ocorrerá de forma inusitada, sem debates e com um candidato na UTI.

Spada comentou da forma que sempre fez – crítico, mas equilibrado: “Complicado a situação de Goiânia, 4 atores, cada um seu dilema. Um não sabe se sobrevive, o outro um pastor (de uma igreja?) sabe-se lá a que veio, o outro conselheiro mor dos 3 filhos e seguidor fiel das doutrinas do clã, e o último um sempre paraquedista, que sempre lhe cai de bom grado na mão os cargos que ocupa”.

Spada gostava de boa música popular brasileira, jazz e blues. Costuma ler muito. Quando encontrava algum título errado ou com equívoco chamava a atenção do editor com responsabilidade.

Fazia planos de morar no Espírito Santo, próximo a uma praia. De lá trabalharia online e de forma remota, talvez a partir de 2021.  

Na sexta-feira, 20, após o fechamento da edição, se despediu dos amigos no grupo de conversa privada dos editores um pouco misterioso: “Amanhã, um dia especial!”.

Um dos integrantes questionou: “Que motivo, Spada?”. Ele retrucou:  “Um dia que ainda vai ser reverenciado como o dia que nasceu a pessoa mais importante do mundo”.  O jornalista Carlos Pereira retrucou a brincadeira: “Quem? Quem? Raimundo Nonato?”. Faltavam poucos minutos para o aniversário de Spada: “Sou mais modesto. A farra será depois da vacina. Vamos comemorar todos!”.

Spada então ainda informou um desavisado que não entendeu a brincadeira: “É simples de explicar: há 59 anos o mundo se rendeu ao nascimento do cara que é o máximo”.

Segundos depois, após finalizar tudo e checar os PDFs, ele comunicou a última fala do grupo em tempos de pandemia como sempre fazia todos os dias: “jornal na gráfica e no universo pelas ondas da www! Fui!!!”.

Tragédia

O presidente do DM, Júlio Nasser, afirma que a morte de Spada é uma tragédia, pois o designer e diagramador era uma pessoa fina, solicita e educada, “sempre disponível e pronto para ajudar”.

Marcus Beck, editor do “DMRevista”, lamenta e diz que aprendeu muito com o amigo. E Helton Lenine, editor de Política, que o conhecia desde outras redações, salienta a expressividade do trabalho do colega e sua prontidão: “Ele era rápido e procurava resolver os problemas. Era metódico”.

Comentários