Cotidiano

Em eleição que não pode debater, Vanderlan enfrenta tempestade de fake news

diario da manha

As eleições em Goiânia começaram a chamar atenção do Brasil: o líder das pesquisas, Maguito Vilela (MDB), está intubado em uma UTI e não sabe que sequer está no segundo turno e o adversário, Vanderlan Cardoso (PSD), enfrenta uma epidemia de fake news e deep fake (vídeos editados) jamais vista nas eleições em Goiás.

A disputa não terá debate sobre propostas e Vanderlan tem sofrido acusações e ataques.

Cena de uma deep fake contra o candidato: Justiça tenta impedir crimes, mas grande produção impede reação de imediato e efetiva

Deep fakes, imagens editadas e sobrepostas, circulam pelas redes e revelam um político malicioso, quando até mesmo adversários sabem que o candidato é de um estilo informal e simples – mas jamais jocoso ou malicioso.

Nas cenas fakes, Vanderlan ri, tira sarro e se vangloria.

As imagens em movimento são falsas e serviram para prejudicar o candidato junto ao eleitorado, que vive um momento inédito: está sensível à saúde do candidato intubado por conta de covid-19.

Jorge Kajuru

Neste final de semana, a Justiça obrigou que as redes sociais e Google retirassem de seus sites um vídeo do senador Jorge Kajuru, em que ele aparece com críticas ao candidato do PSD.

A Justiça Eleitoral entendeu que as agressões de Kajuru são ilegais e tentou agir a tempo para proteger Vanderlan, mas Kajuru teve milhares de visualizações antes da ação efetiva do Judiciário.

Em áudio, que justifica as críticas contra Vanderlan, Kajuru diz que apenas exerceu seu direito de se expressar e que não praticou nenhuma fake news.

Conforme a coordenação de campanha de Vanderlan, várias outras armadilhas foram montadas para o candidato no segundo turno, caso de edições equivocadas e astuciosas de entrevistas.

Nesta segunda-feira, 23, jornalistas Cileide Alves e Rubens Salomão, da rádio Sagres AM, protestaram nas redes sociais pelo uso indevido de suas imagens em uma montagem considerada falsa para atacar Vanderlan Cardoso.

Comentários