Cotidiano

Goiás é o estado que mais reduziu despesas em 2020

Estado está ainda entre os que têm menor dependência das transferências da União; dados foram divulgados pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN)

diario da manha

Goiás foi o estado que mais reduziu despesas em 2020, conforme relatório da Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Durante janeiro a junho, ocorreu queda nas despesas de 8% em relação a 2019.

Conforme levantamento da “Folha de S. Paulo”, apenas seis estados do país conseguiram reduzir suas despesas correntes durante a pandemia. A proeza simboliza boa equação entre gestão e menor dependência de outras pessoas jurídicas, como a União.

Na história recente, Goiás jamais apresentou tal condição de equilíbrio nas contas públicas. Conforme a “Folha”, o estado “também está entre os que têm menor dependência das transferências da União que somam 18% das receitas”.

O estudo da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) é técnico e revela a condição financeira atual dos Estados. Até a gestão que se encerrou em 2018, Goiás apresentava um dos piores cenários nacionais, com situação considerada pelo STN de estado inadimplente. A fotografia em preto e branco aos poucos tem ficado colorida: os dados apresentados pelo STN indicam que Goiás poderá aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF). E isso significará uma recompensa para quem fez a tarefa de casa.    

Ao instituir o estado de calamidade pública, Goiás seguiu um cenário de gastos diferente dos demais estados, já que teve que priorizar condições de urgência, como a pandemia de covid-19.

Em entrevista à “Folha de S. Paulo”, Cristiane Schmidt, secretária da Fazenda de Goiás, explicou as várias ações que foram intercaladas para o Estado não naufragar diante do caos financeiro deixado pela gestão tucana: “Assumimos um estado falido, com déficit de R$ 4,2 bilhões, sem contar R$ 1, 6 bilhão em salários atrasados”.     

No terceiro bimestre, Goiás saiu da lona e registrou superávit orçamentário de R$ 871,63 milhões frente a R$ 628,12 milhões, que foram registrados em 2019.    

Comentários