Cotidiano

Atlas da Violência 2018: 68% das vítimas de estupro são menores de idade

diario da manha

As crianças são as maiores vítimas de estupro no Brasil, de acordo com o Atlas da Violência 2018. O estudo, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública foi divulgado nesta terça-feira (05/06), e mostrou que metade dos casos de estupro registrados no País em 2016 foram cometidos contra crianças de até 13 anos. Se forem levadas em consideração as vítimas de até 17 anos, a porcentagem sobe para 67,9%.

De acordo com ‘O Globo’, o relatório usa dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação do Ministério da Saúde (Sinan/MS), que computou 22.918 crimes dessa natureza. No entanto, o problema é que os dados do Fórum obtidos junto às polícias brasileiras apontaram que, em 2016, 49.497 pessoas denunciaram o crime. Somente no minoria dos casos permite-se acessar a idade das vítimas e conhecer melhor o perfil desse tipo de crime.

Ainda segundo o portal, estudiosos acreditam que o número desses ataques seja ainda superior ao apontado pelo Fórum. Pesquisas do Ministério da Justiça e do Instituto Maria da Penha sugerem que a quantidade de mulheres vítimas de violência sexual ultrapasse a casa do 1 milhão de casos anualmente.

De 2011 a 2016, o aumento nas notificações de estupro no sistema do Ministério da Saúde foi de 90,2%. Os pesquisadores acreditam que a alta pode ser explicada por três fatores: “1) do aumento da prevalência de estupros; 2) do aumento na taxa de notificação a reboque das inúmeras campanhas feministas e governamentais; ou 3) da expansão e do aprimoramento dos centros de referência que registram as notificações.”

Outro dado que ainda chama atenção é a quantidade de estupros cometidos contra pessoas com deficiência. Do total de crimes, 10,3% tiveram uma pessoa com algum tipo de vulnerabilidade física ou mental como vítima, sendo que 12,2% do total de estupros cometidos de forma coletiva miraram as pessoas com deficiência. (Foto: Ilustrativa)

Comentários