Cotidiano

Pai e filho são levados à delegacia por conta de fardamento e arma de pressão do garoto 

diario da manha

Foto: Reprodução/Facebook

Um homem identificado com Eduardo de Jesus Pereira, de 38 anos, e seu filho de apenas 10 anos, foram levados à delegacia nesta terça-feira (30/01), no Distrito Federal. Isso porque a criança estava em um hospital público de Ceilândia com as vestimentas do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da região e uma arma de pressão, a chamada ‘airsoft’.

A mãe do menino, que era acompanhada pelo marido Eduardo, esperava atendimento na unidade hospitalar. Na ocasião, o casal foi abordado por um vigilante do local que questionou a farda e a arma que o menino utilizava.

O homem teria dito que o filho é fã da PM desde os 6 anos, e é bastante conhecido na região, inclusive por policiais militares. O servidor, no entanto, entendeu que a situação era ilegal e acionou a Polícia que deu razão ao funcionário.

O sargento responsável pelo atendimento da ocorrência deu voz de prisão a Eduardo. Ele chegou a ser algemado em uma pilastra do local. Ao ver a situação, a criança partiu para cima do militar para defender o pai e foi contido. O homem foi levado para 23° Delegacia de Polícia e o menino para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

“Lamentável uma pessoa manchar uma instituição toda e estragar o sonho de uma criança”, comentou Eduardo. Segundo os pais, o garoto está em pânico desde a confusão. “Ele sempre enxergou o policial militar como herói, mas, hoje, disse não querer mais saber de ser policial’, disse ao Metrópoles.

De acordo com o coordenador-geral de Policiamento do Departamento Operacional da PMDF (Dope), major Cláudio Santos, a situação trata-se de um mal-entendido que resolvido logo em seguida. “O pai do garoto e o policial pediram desculpas um para o outro, e os ânimos acalmaram. A confusão ocorreu porque o menino estava com uma arma de brinquedo que aparentava ser verdadeira”, afirmou à reportagem.

Comentários