Brasil

Bolsonaro se irrita ao falar sobre compra de vacina e diz: 'Só se for na casa da tua mãe'

Em conversa com apoiadores em Uberlândia nesta quinta-feira (4), ele demonstrou irritação contra aqueles que cobram que o governo federal compre vacinas contra a Covid-19

diario da manha
Foto: Reprodução/AFP

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez críticas e comentários contra aqueles que cobram que o governo federal compre vacinas contra a Covid-19. Em conversa com apoiadores em Uberlândia nesta quinta-feira (4), ele disse, “tem idiota que a gente vê nas redes sociais, na imprensa, [dizendo] ‘vai comprar vacina’. Só se for na casa da tua mãe. Não tem [vacina] para vender no mundo”. As informações são do G1.

Ao discursar, o presidente ainda afirmou que medidas provisórias foram editadas com o objetivo de destinar R$ 20 bilhões para compra de vacinas e que, neste mês, 22 milhões de doses devem ser entregues à população.

Resistente a compra de vacinas contra Covid-19, em outubro do ano passado, Bolsonaro chegou a vetar a aquisição da CoronaVac. Atualmente, o imunizante produzido pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, é usado no programa nacional de imunização.

O Ministério da Saúde, que havia rejeitado no ano passado uma oferta de venda da Pfizer feita, assinou nesta semana um contrato com o laboratório para compra de imunizantes contra Covid-19.

Em outra decisão em meio à pandemia, Bolsonaro vetou um trecho de uma medida provisória introduzido pelo Congresso que permitia a estados e municípios adotar medidas de imunização em caso de omissão do Ministério da Saúde. Segundo ele, os governadores comprariam as vacinas, mas ele quem teria que pagar.

Nesta tarde, ao participar de cerimônia em Goiás, Bolsonaro classificou como “mimimi” as medidas adotadas por governadores e prefeitos para tentar frear a disseminação do coronavírus. Entre terça e quarta-feira, a doença foi responsável pela morte de mais de 1.900 pessoas.

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe DM Online www.dm.jor.br pelo WhatsApp (62) 98322-6262 ou entre em contato pelo (62) 3267-1000.

Leia também:


Comentários