Coronavírus

Xenofobia pode atrapalhar imunização contra Covid-19, diz infectologista

"Temos é que agrupar mais fornecedores e aumentar o nosso leque de oportunidades", disse o infectologista Renato Kfouri

diario da manha

O Ministério da Saúde exibiu ontem (14), o cronograma de vacinação contra o coronavirus. A partir daí, foi levantada a questão de dificuldade de imunização pelo infectologista Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunização.

Renato Kfouri relatou em entrevista que “nós vamos ter dificuldades em vacinar a nossa população por desconfiança de uma vacina, de outra, de um partido político xenofóbico. Esse vai ser talvez um grande problema para nós enfrentarmos”, disse ele.

O cronograma anunciado pelo Ministério da Saúde, apresenta a AstraZeneca, vacina desenvolvida pela Universidade Oxford. A outra vacina que foi cogitada para a população brasileira, é a CoronaVac, feita na China.

Segundo o infectologista, a disputa política, de campanha para um medicamento específico pode atrapalhar na hora de imunizar a sociedade. Já que algumas pessoas podem ter a ideia de tomar um partido e decidir não receber tal vacina.

A vacina da CoronaVac, não teve investimento para que a população receba a imunização, apresentou o Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do governo de São Paulo.

A negociação da vacina chinesa seria para que indivíduos tenham acesso por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Além da transação, também precisa ser constatada a eficácia da terceira fase de testes.

“Ajudar em ter uma gama maior de vacinas, de opções, de quantidades diferentes, eventualmente com perfis diferentes de resultados de segurança e eficácia. O momento não é eliminar, ou desprezar, ou não contar. Temos é que agrupar mais fornecedores e aumentar o nosso leque de oportunidades”, falou o Kfouri.

Para ele, é importante ter a união neste momento, para que haja um resultado positivo de imunização na sociedade.

Comentários