Coronavírus

Criação de anticorpos contra Covid-19 é induzida por máscara, sugere pesquisa

"Se esta teoria for confirmada, o mascaramento de toda a população, seja com itens e tecido ou descartáveis, pode contribuir para aumentar a proporção de infecções por Sars-Cov-2 que são assintomáticas", explicaram os cientistas da Universidade da Califórnia em nota publicada na revista científica The New England Journal of Medicin

diario da manha
Foto: Tai's Captures/Unsplash

Cientistas da Universidade da Califórnia, Estados Unidos, sugerem que a máscara de proteção facial colabora para a criação de anticorpos contra a Covid-19. É o que aponta a nota publicada pelos especialistas na última semana na revista científica The New England Journal of Medicin.

O argumento dos cientistas é de que o impedimento feito pelo item, destacado durante a pandemia, não assegura a proteção total contra o novo coronavírus. No entanto, diminui a exposição ao vírus e assim à carga viral, que está relacionada à gravidade da doença. As informações são do site Metrópoles.

De acordo com a reportagem, o menor contato com o agente infeccioso poderia resultar no aumento de casos de pessoas que não apresentariam sintomas que não progrediriam para um caso grave. Além disso, haveria produção de anticorpos para proteção contra o coronavírus, conforme sugerem os pesquisadores.

“Se esta teoria for confirmada, o mascaramento de toda a população, seja com itens e tecido ou descartáveis, pode contribuir para aumentar a proporção de infecções por Sars-Cov-2 que são assintomáticas”, explicaram em nota.

Conforme a matéria, o método de imunização ressaltado é conhecido como variolação e era aplicado antes do uso da vacina. As pessoas passíveis de participar do método recebiam o material de um paciente para provocar uma infecção amena, seguida da imunidade.

Segundo a publicação, os cientistas apontam que as regiões do mundo que adotaram o uso do equipamento de proteção individual se saíram melhor no enfrentamento à pandemia, levando em consideração os registros de doenças graves e mortes.

Comentários