Coronavírus

Festa onde surgiu pandemia reúne milhares de pessoas

Evento ocorreu no Maya Beach Water Park, situado em Wuhan, centro da China, onde começou a pandemia do novo coronavírus. Milhares de pessoas provocaram aglomeração. Elas dançaram juntas e não utilizaram máscaras de proteção facial. Outras tomaram banho sem levar em conta a distância de segurança, conforme a agência AFP

diario da manha
Foto: STR/AFP

Uma festa de música eletrônica reuniu milhares de pessoas no último final de semana (15 e 16). O evento ocorreu um parque aquático situado em Wuhan, centro da China, onde surgiu a pandemia do novo coronavírus. A cidade passou por um período de isolamento rígido de janeiro a abril, totalizando 76 dias em quarentena. No entanto, de forma gradativa, retornou à normalidade e retirou as medidas restritivas. As informações são da agência AFP e foram publicadas pela revista IstoÉ.

De acordo com a reportagem, o evento ocorreu no Maya Beach Water Park. O espaço ficou lotado. Segundo a matéria, milhares de pessoas provocaram aglomeração. Elas dançaram juntas e não utilizaram máscaras de proteção facial. Outras tomaram banho sem levar em conta a distância de segurança, conforme o site.

Segundo a matéria, o parque foi reaberto em junho. A capacidade tem limite de 50%, conforme a imprensa chinesa. O valor da entrada para mulheres foi diminuído pela metade.

Evento em meio à pandemia é criticado nas redes sociais

Conforme a publicação, as imagens do evento divulgadas pela agência causaram críticas nas redes sociais. Isso porque a Covid-19 contaminou aproximadamente 22 milhões de pessoas no mundo e provocou cerca de 800 mil mortes.

“É assim que vamos causar uma segunda ou terceira onda epidêmica! Que inteligente…”, apontou um usuário do Twitter.

Apesar do novo coronavírus ter surgido na China no final de 2019, a matéria aponta que o país atingiu o controle da pandemia. Atualmente, os casos registrados alcançam a escala de dezenas de pessoas, conforme dados oficiais destacados pelo portal.

No entanto, as viagens foram limitadas por muitos chineses, que continuam usando equipamentos de proteção em espaços públicos, segundo a AFP. De acordo com a publicação, a província de Hubei, que tem Wuhan como capital, não registra novos casos da doença desde maio.

Os representantes da região, cuja economia está retraída em decorrência da pandemia, disponibilizam entradas de graça para 400 pontos turísticos.

Comentários