Coronavírus

Centro-Oeste: Goiás é o 2° estado com maior registro de óbitos por Covid-19

Mato Grosso continua a frente, Goiás tem 1.974 mortes confirmadas

diario da manha
Foto: Reprodução

Entre os três estados que formam o Centro-Oeste e o Distrito Federal, Goiás é o segundo com a maior quantidade de mortes por coronavírus, com taxa de letalidade de 2,39%. O estado goiano já confirmou 1.974 óbitos e 83.274 pessoas infectadas desde o começo da pandemia.

Segundo estudiosos do assunto, o baixo índice de isolamento social é a principal causa para a elevada taxa de letalidade e alta capacidade de disseminação do vírus.

Em nota, o governo de Goiás declarou que desde que o estado saiu da fase de crescimento linear e passou a exponencial, já era esperado o aumento do número de casos em um intervalo cada vez menor de tempo. Entretanto, a taxa de letalidade no estado, de 2,36% seguiu abaixo da nacional, que é de 3,4%.

De acordo com o site G1, Goiânia possui a maior quantidade de óbitos, mas não o maior índice de letalidade, por causa dos números de contaminados, que alcançou 20.893 casos confirmados e 541 mortes até sexta-feira (7).

A taxa de letalidade da capital, que tem 1,5 milhão de habitantes, conforme o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do ano passado, é de 2,59%. Essa taxa é calculada com o número de mortos e casos confirmados.

Goiânia lidera o número de mortos

Segundo a Secretaria de Saúde de Goiás, até sexta-feira (7), Goiânia liderava o número em comparação com o restante dos municípios. Com 541 óbitos, o dado representa 25% de todas as mortes contabilizadas no estado.

Para o Superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Goiânia, Yves Mauro Ternes, o município tenta reduzir a quantidade de mortes, aplicando testes rápidos em massa na população e isolamento aos contaminados assintomáticos.

Essa estratégia, segundo Ternes, evita que esses casos assintomáticos se tornem em vetores de contaminação do vírus de forma involuntária. A expectativa é que os números de óbitos, por conseguinte, comecem a diminuir. Os idosos ainda prevalecem entre as mortes registradas.

“O perfil das mortes de Goiânia é o mesmo a nível nacional, principalmente cardiopatas e diabéticos. A maioria tem mais de 60 e doenças acumulativas”, considerou Ternes.

O superintendente explicou que a infecção causada pelo coronavírus tende a ser mais letal em pessoas com doenças pré-existentes. “Elas têm uma dificuldade maior de combater o vírus, que não tem antiviral, porque é importante que o organismo consiga combater com o próprio sistema imunológico, que nestes casos são menos eficientes”.

A SES-GO GO informou que realiza, nesta semana, uma força tarefa junto às 18 Regionais de Saúde e aos municípios, para verificar e atualizar os dados nos sistemas de notificação oficial. A partir desta atualização com todas as informações registradas, será possível sinalizar se o Estado registra um platô no número de casos confirmados diariamente ou se já houve um período de pico.

Outro motivo que contribuí para o aumento de registro de confirmações é a ampliação da testagem. Um programa para ampliar a testagem já é executado no Estado. O objetivo é que, inicialmente, ele atinja 78 municípios, que correspondem a uma população de cerca de 5 milhões de pessoas.

O governo também investe em hospitais de campanha, com atendimento descentralizado. Até então já foram abertas seis unidades, além de leitos dedicados em unidades estratégicas, totalizando 693 leitos para Covid-19 em funcionamento, sendo 267 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Comentários