Coronavírus

Rússia quer distribuir vacina para covid-19 a partir de agosto

Produção em massa do medicamento no entanto está prevista inicialmente para o mês de setembro

diario da manha
Foto: Reprodução

A Rússia pode se tornar o primeiro país a começar a distribuir uma vacina contra a Covid-19. Nesta segunda-feira (13/7) o país anunciou a conclusão dos testes clínicos para comprovar a eficácia do medicamento desenvolvido pelo governo russo.

De acordo com a publicação do portal de notícias Uol, a chefe do centro de pesquisas clínicas da Universidade Sechenov, Yelena Smolyarchuk, afirmou a agência de notícias TASS que a pesquisa foi concluída e que a vacina é segura.

O medicamento aprovado foi desenvolvido pelo Centro Nacional de Pesquisa para Epidemiologia e Microbiologia Gamalei. O diretor da instituição,Alexander Gintsburg afirmou que a vacina deve entrar em circulação entre os dias 12 e 24 de agosto.

Vacina russa para Covid-19 pode ter produção em massa no início de setembro

A distribuição conforme a publicação vai ser equivalente a uma terceira fase de testes, uma vez que pessoas que receberem as doses da vacina vão ficar sob supervisão. As primeiras duas fases confirmaram a segurança do remédio, antes de avançar para uma terceira fase e que vai ser testada em um grupo maior de voluntários.

O Ministério da Saúde da Rússia vai fazer os últimos testes bioquímicos da vacina, e acredita que o processo seja finalizado em setembro, mês em que o Gintsburg acredita dar início a produção em massa do medicamento em laboratórios privados.

Na corrida para encontrar um remédio ou mesmo a vacina que seja capaz de combater o novo coronavírus, existem 19 vacinas experimentais contra Covid-19 e desse total só duas estão fase final de testes, ou seja, na terceira fase de testagem. Sendo uma da China fabricada pela Sinopharm e a outra a AstraZeneca e a da Universidade de Oxford, que faz parte dos testes no Brasil. A vacina chinesa produzida pela Sinovac Biotech vai se tornar a terceira no fina desse mês e também faz testes no Brasil.

Comentários