Coronavírus

Comércio volta de vez na próxima terça (14) em Goiânia sem data para novo fechamento

Em reunião, o governador Ronaldo Caiado (DEM) e o prefeito Iris Rezende (MDB) articularam a elaboração de um novo decreto que deve ser assinado na segunda (13)

diario da manha

Goiânia libera a retomada, na próxima terça-feira (14), de todas as atividades comerciais, menos as que envolvam aglomerações, como shows, cinemas fechados e jogos em estádios. As atividades serão retomadas após os 14 dias de paralisação, previsto no decreto de isolamento intermitente do Estado, contudo, sem data para novo fechamento.

Ontem (8), o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) e o prefeito de Goiânia Iris Rezende (MDB), organizaram juntos a elaboração do novo decreto, previsto para a próxima semana, com protocolos de segurança e regras de monitoramento da contaminação da covid-19 e da ocupação de leitos na capital. A estimativa do governo estadual é que a curva mais acentuada de contágio aconteça no final deste mês.

Na reunião, Iris se mostrou favorável ao fim do cumprimento do decreto estadual do dia 30 de junho, com a ampliação das ativadas permitidas e não voltar mais a fechar. Os argumentos foram que a taxa de isolamento social não aumentou nos dias de paralização das atividades, causando apenas prejuízos econômicos.

Outros municípios da Região Metropolitana não aderiram ao isolamento intermitente, como Aparecida de Goiânia Anápolis e Trindade.

Alinhado ao discurso do prefeito, Caiado também admitiu que já havia se reunido com o setor empresarial na terça-feira (7) e afirmou que não há condições de frear as atividades em Goiânia.

A estimativa é que segmentos que não estavam permitidos até então, como as academias, voltem a funcionar. Na reunião Caiado disse que vai escolher dois auxiliares para acertar os detalhes do novo decreto municipal, que vai ser assinado na segunda-feira (13).

O secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, concorda que é mesmo o momento de uma abertura mais ampla. “O caminho agora, tendo em vista que expandimos o que precisávamos de estrutura de saúde, é darmos as mãos para enfrentarmos, até para que a curva se cumpra. A partir de 20%, 25% de contágio da população, caem os níveis de contaminação, de internação e de óbito. Isso ainda não tem grandes explicações, mas vem sendo observado em outros Estados e países”.

A Prefeitura não quis se posicionar sobre a reunião no Palácio das Esmeraldas e disse apenas que o governador falaria. Caiado fez um vídeo em que afirmou que a reunião foi “extremamente positiva” e que o novo decreto, com protocolos de segurança para a abertura da capital, será elaborado de forma conjunta.

“O protocolo está sendo escrito para a capital com a participação do prefeito, da sua equipe, e da nossa equipe, para que possamos abrir e ao mesmo tempo continuar com a responsabilidade de diminuirmos cada vez mais a contaminação.”

No vídeo, o governador não esclarece os detalhes sobre a proposta apresentada pela Prefeitura. “É contando com a participação de toda a população, de todos nós, para enfrentarmos a pandemia, que a partir da próxima terça-feira voltaremos às atividades, mas sempre com muita responsabilidade”, afirmou Caiado.

O prefeito disse, na última terça-feira, que os prejuízos com a paralização das atividades em Goiânia tem um peso maior no que das cidades do interior. “O prejuízo não é apenas para o comércio e o Poder Público, é grande para todo o mundo. Quantas mil pessoas hoje estão desempregadas? Goiânia tem 1,6 milhão de habitantes e não de 20 mil ou 30 mil.”, explica.

Em entrevista à TV Anhanguera, Iris também disse que a capital tem “excesso de leitos de UTI (Unidades de Terapia Intensiva)”, ontem a taxa de ocupação na rede municipal era de 91,3%.

*Com informações do jornal O Popular

Comentários