Coronavírus

Pesquisadores anunciam droga que reduz mortes por covid-19

Segundo cientistas, houve diminuição de um terço das mortes em pacientes que receberam corticoide dexametasona

diario da manha

Pesquisadores britânicos anunciaram a primeira droga que reduz o acontecimento de mortes por covid-19. Com a eficácia comprovada, o Ministério da Saúde do Reino Unido confirmou que vai incluir a droga no tratamento da doença. Outras instituições financiam os estudos, como a fundação de Bill e Melinda Gates

Segundo cientistas da Universidade de Oxford, houve diminuição de um terço das mortes em pacientes que precisavam de tratamento com oxigênio e receberam o corticoide dexametasona. Um estudo será publicado nos próximos dias para mostrar os resultados de 2.104 pacientes. Eles foram medicados com a dexametasona, por via oral ou intravenosa e comparados a 4.321 pacientes tratados normalmente.

Os números apontam que houve redução de mortes de 35% para pacientes que precisavam de respiradores e 20% para quem precisava de oxigênio. No entanto, não foi registrado se a droga é eficiente em casos menos severos da covid-19.

Peter Horby, da Universidade de Oxfor afirmou que o resultado é bem-vindo. “O benefício da sobrevivência é claro e amplo nestes pacientes que estavam doentes o suficiente para precisarem de tratamento com oxigênio. Então, a dexametasona pode agora se tornar padrão no cuidado destes pacientes.”, explicou.

Além disso, ele acrescentou que a droga, por ter baixo custo, pode ser utilizada para salvar vidas de todo o mundo. Um dos responsáveis pelo projeto de caridade, “Wellcome”, que financia pesquisas científicas, Nick Cammack, informou que a droga só auxilie em casos severos.

Segundo ele, a Dexametasona precisa ser liberada e acessada pelas pessoas doentes pelo mundo. “Ela é fácil de ser fabricada, barata, pode ser produzida rapidamente e precisa apenas de uma pequena dose”, justificou Cammack.

Medicamento reduz inflamações que a covid-19 causa

Os corticoides, presentes na droga, reduz as inflamações que o coronavírus causa no organismo. A substância faz com que o sistema imune atue para frear o vírus. Portanto, a reação do sistema imune pode ser fatal, deste modo, os médicos iniciaram os testes somente em pacientes.

Segundo pesquisadores, o uso pode evitar uma em cada oito mortes de pacientes que estão em respiradores e um em cada 25 pacientes recebendo auxílio com oxigênio. Este é o mesmo estudo que mostrou que a hidroxicloroquina não apresentava eficácia contra a covid-19.

11 mil pacientes da Escócia, Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte foram tratados com o procedimentos comuns ou com medicamentos como dexametasona, hidroxicloroquina, um combo anti-HIV, azitromicina, tocilizumabe ou plasma de recuperados da covid-19 que apresentavam anticorpos contra o coronavírus.

Após o estudo ter demonstrado que o corticoide salvou vidas de pessoas em estados mais graves, o ministro da Saúde, Matt Hancoock confirmou que o Reino Unido utilizará o medicamento aos pacientes com covid-19.

“Estamos trabalhando com o Serviço Nacional de Saúde para que o tratamento padrão contra a covid-19 inclua a dexametasona a partir desta tarde”, informou Hancock.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) ainda não se pronunciou sobre o uso do medicamento.

*Com informações do UOL

Comentários