Coronavírus

Governo pede que empresas façam home-office para evitar contágio do coronavírus em Goiás

Segundo Saúde do estado, há quatro casos confirmados da doença, 85 suspeitos e nenhuma morte

diario da manha

A Secretária de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) pede que empresas públicas e privadas avaliem a possibilidade de liberarem os funcionários administrativos para home-office. A solicitação é mais uma das medidas preventivas do governo para evitar a propagação do vírus.

A solicitação para as empresas está no mesmo documento que suspende as aulas por 15 dias. Segundo o órgão, há quatro casos confirmados em Goiás e 85 suspeitos e nenhuma morte. Os testes positivos são de três pessoas em Goiânia e uma em Rio Verde.

Até o momento, a Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) não se posicionou sobre o pedido do governo.

Já a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Goiás (Fecomércio), emitiu uma nota na sexta-feira (13), pedindo aos empresários e trabalhadores “reforcem os bons hábitos de higiene” e que haja “reforço da oferta do álcool em gel e toalhas descartáveis em nossos estabelecimentos”.

Os órgãos públicos já foram recomendados, de se possível, diminuir o efetivo e trabalhar em revezamentos, ou de casa, para que a Defensoria Pública e o Ministério Público de Goiás possam atender somente a casos urgentes.

Medidas de prevenção

As escolas públicas e privadas devem ter aulas suspensas pelos próximos 15 dias. A medida pode ser prorrogada após o fim do período. A Universidade Federal de Goiás (UFG) suspendeu as cerimônias de colação de grau.

O transporte coletivo está recebendo higienização reforçada para também evitar a transmissão do vírus. O parque Mutirama e o Zoológico também suspenderam as visitas. O mesmo foi recomendado para shows, atrações culturais e eventos religiosos.

Com informações do G1

Comentários