Cidades

Pesquisadores vão sequenciar genoma do vírus SARS-CoV-2 presente em Goiás

Inicialmente fará o sequenciamento de 120 amostras. A previsão é que comece em novembro e termine em dezembro de 2021, com expectativa para o possível tratamento

diario da manha
Foto: Reprodução /Governo de Goiás

Pesquisadores goianos estão em busca de colaborar na criação de vacinas, remédios e também no combate do vírus que circula em Goiás. Para isso, vão sequenciar o genoma do coronavírus para saber quais as variantes da doença.

O objetivo do estudo é que seja possível conhecer a real diversidade genética do vírus, o que permitirá estabelecer as rotas de transmissão e contribuir para o tratamento da Covid-19.

Projeto

O projeto é um dos selecionados da Secretaria de Desenvolvimento e Inovação (Sedi) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg).

Contudo, será coordenado pela professora Mariana Pires de Campos Telles, pesquisadora da Universidade Federal de Goiás (UFG) e da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO).

“A primeira coisa é descrever quais variantes estão circulando em Goiás. Há alguns trabalhos recentes, mostrando que no Brasil tem duas principais variantes, então, com essa pesquisa você consegue fazer uma rastreabilidade para saber qual é o tipo do vírus. A partir daí, a gente acumula conhecimento, porque o genoma diz muito sobre vários aspectos, inclusive os alvos para vacina e tratamento advêm do conhecimento no genoma do vírus e do funcionamento da biologia do vírus”, explica a pesquisadora.

Fapeg

De acordo a Fapeg, o termo de outorga foi assinado no dia 21 de setembro. Porém a pesquisa tem previsão para iniciar em novembro, com a etapa experimental, e termine em dezembro de 2021.

Os resultados do estudo serão disponibilizados em um banco de dados internacional.

Coleta de amostras

 Segundo o governo, a pesquisa vai utilizar a metodologia de “nova geração”. E será investido cerca de R$ 253.941,68 no trabalho.

Os pesquisadores vão dar início ao sequenciamento do genoma do Sars-CoV-2, inicialmente, fazendo o sequenciamento de 120 amostras, que serão coletadas de pacientes com diagnósticos de Covid-19 confirmados.

Além disso, terá uma pequena quantidade de RNA de cada amostra na construção das bibliotecas para sequenciamento na plataforma do banco de dados.

*Com informações do G1

Comentários