Cidades

Detran é alvo de investigação sobre fraudes na impressão de documentos e licenciamento de veículos

Foram cumpridos 25 mandados de busca e apreensão em endereços de empresas e pessoas provavelmente envolvidas no esquema criminoso

diario da manha

A Polícia Civil (PC-GO) deflagrou a operação Stop Spooler, nesta terça-feira (15), e cumpriu 25 mandados de busca e apreensão em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Indiara e no Distrito Federal, para recolher indícios de desvios de superfaturamento de R$ 26 milhões em uma licitação do Departamento Estadual de Transporte de Goiás (Detran-GO), contestando uma empresa estipulada para atuação de impressão de documentos de registro e licenciamento de veículos.

Em nota, o Detran declarou que “apóia totalmente e colabora com a Polícia Civil” nas apurações. O órgão ressaltou que é investigado um contrato antigo de impressão de documentos. Afirmou ainda que, desde que uma nova empresa foi contratada para o serviço, os custos caíram de R$ 3,57 para R$ 0,60 por impressão.

Essa operação é um desdobramento de outra, a “Cegueira Deliberada”, que apurou desvios de R$ 110 milhões do Detran.

Conforme informações da Delegacia Especializada no Combate à Corrupção (Deccor), uma empresa ganhou a licitação de impressão de documentos e efetivou o contrato com o Detran-GO em 2014 no valor de R$ 12 milhões ao ano. As apurações indicam que esse acordo vigorou até o ano passado.

O contrato era referente a impressão de Certificado de Registro do Veículo (CRV) Certificado de Registro de Licenciamento (CRLV). Segundo as investigações da polícia, apesar da empresa Planalto ter sido a vencedora da licitação, uma segunda, a Cadê, é que prestava o serviço, já que a primeira nem seria, a princípio, do ramo de impressões.

Também de acordo com as investigações, em 2015, houve uma junção entre essas duas empresas e a prestação de serviço continuou. Esse documento, segundo a PC, foi encontrado durante outra operação na empresa Sanperes, o que levou as equipes a desconfiarem de que todas pudessem estar envolvidas.

Por meio de nota, a Sanperes afirmou que “não tem qualquer vinculação com as empresas investigadas pela operação Stop Spooler e não conhece o teor dos autos”, além de não ser alvo dos mandados cumpridos nesta terça-feira.

Buscas e apreensões

Entre os 25 endereços visitados pela PC, havia uma casa em um condomínio de luxo em Goiânia, que seria do arquiteto Pedro Ernesto Gualberto. Segundo as investigações, ele foi dono de uma das empresas investigadas pela corporação.

Segundo o G1, os policiais encontraram na casa do arquiteto uma arma registrada no nome de outra pessoa. Por isso, o item foi apreendido e Pedro encaminhado a uma delegacia para registro de posse ilegal de arma de fogo.

tags:

Comentários