Cidades

Morre Joana Margon Vaz ex-primeira dama de Catalão

diario da manha

Luís Estevam

Faleceu no inicio da tarde do dia 30/7 Joana Gomide Margon Vaz, chamada carinhosamente de Dona Joaninha, 86 anos, ex-primeira-dama do município, esposa do ex-prefeito Haley Margon Vaz. Deixou o marido Haley Margon, os filhos Haley Margon Júnior, Ricardo Margon e Letícia Margon, netos (as). Não haverá velório e o sepultamento será às 18h e restrito aos familiares.

Essa Crônica, foi escrita pelo , que relata uma parte da vida dessa mulher bondosa em Catalão.

A Academia Catalana de Letras recorda que, o trabalho de Joana Gomide na prefeitura municipal, na década de 1980, se destacou pelo ineditismo. Nunca antes, na gestão administrativa de Catalão, uma primeira dama havia criado um leque tão variado de programas sociais e comandado pessoalmente sua implementação. Dona Joaninha, como é conhecida, trabalhou diariamente no atendimento comunitário durante seis anos, sem receber qualquer remuneração pelos serviços prestados.

Em termos sociais, a década de 1980 foi bastante crítica para Catalão. A população crescia rapidamente em função do atrativo que as empresas mineradoras exercia sobre os moradores da região. O problema aumentou porque a prefeitura municipal não contava com aparato adequado para amenizar o fenômeno. Na esteira da expansão demográfica surgiam constantemente novas necessidades de moradias, atendimento médico e assistência social.

Até então, o assistencialismo caracterizava as ações de amparo social, porque não tinha política definida de resolução dos problemas a médio e longo prazos. Não que o assistencialismo fosse desnecessário. Porém, as transformações da época exigiam atitudes mais firmes e estruturais para encaminhamento dos problemas da comunidade.

Em 1983, quando Haley Margon assumiu a Prefeitura, não o fez sozinho. A sua esposa assumiu com ele as rédeas do trabalho. Como primeira dama, institucionalizou o feixe de demandas sociais. Criou, de imediato, o grupo das Legionárias do Bem Estar Social, procurando levar à população benefícios mais duradouros e condições de vida mais adequadas para a comunidade.

A meta era a implementação de medidas de longo prazo e não meramente assistencialistas. Ainda assim, as Legionárias não descuidaram do atendimento às carências mais urgentes dos moradores. Foi o caso especial do setor de saúde, com encaminhamento diário aos hospitais e médicos da cidade, através do aviamento de receitas e custeio de exames. Nesse esquema foram realizados centenas de procedimentos especializados com pagamento de cirurgias em Catalão e, quando necessário, em outros centros maiores.

Dona Joaninha, pessoa muito simples, esteve sempre presente na vida da comunidade. Andava numa Brasília amarela, de sua propriedade, e onde aparecia era carinhosamente abraçada pelos moradores. Levava pessoalmente merenda na zona rural e tornou-se indispensável para o povo mais carente do município. Face a isto, o prefeito destinou 3% das receitas para as Legionárias do Bem Estar que construíram dezenas de moradias para os mais carentes da cidade, além de promoverem doação constante de óculos de grau, agasalhos, cobertores, cadeiras de roda, brinquedos e cestas de alimento para os humildes.

Leia mais: https://sdnews.com.br/noticia/1062/catalao-perde-a-ex-primeira-dama-joana-gomide-margon-vaz.html

Luís Estevam: Presidente da Academia Catalana de Letras,

tags:

Comentários