Cidades

Quadrilha é presa suspeita de participar no roubo de 32 toneladas de carne bovina

Os suspeitos renderam o segurança e utilizaram quatro caminhões para entraram na empresa JBS

diario da manha

Quadrilha especializada em roubos a grandes empresas de carne bovina é presa. Mais de dez homens armados invadiram o centro de distribuição da empresa JBS e roubaram cerca de 32 toneladas de cortes nobres de carne bovina, na madrugada do último domingo (17).

Os suspeitos renderam o segurança e utilizaram quatro caminhões para entraram na empresa. Eles usaram informações privilegiadas sobre as carnes nobres que foram carregadas pelos membros da organização criminosa.

Após serem informados sobre o fato, os policiais integrantes da Força Tarefa foram até o local e, por meio dos relatos investigativos feitos, prenderam um dos integrantes do grupo na manhã do mesmo dia. Além disso, apreenderam com ele um dos caminhões usados na ação, com nove toneladas de carne roubada.

Na última sexta-feira (22), outros três integrantes da quadrilha foram presos comercializando a carne roubada. Um deles é dono de um açougue e outro é proprietário do galpão onde armazenavam as carnes. Foram apreendidas cerca de 22 toneladas da carne roubada local.

Cerca de 31, das 32 toneladas de carnes roubadas foram recuperadas pela Força Tarefa. A mercadoria é avaliada aproximadamente em R$ 1,5 milhão. As investigações continuam para identificar os outros integrantes da organização criminosa.

A JBS por meio da sua assessoria de comunicação informou que o Centro de Distribuição de Aparecida de Goiânia, que teve uma carga de 32 toneladas de carne roubadas no último final de semana é terceirizado, e que a responsabilidade sobre a segurança e controle das cargas é da empresa contratada para o trabalho.

Confira a nota

A JBS informa que o Centro de Distribuição em Aparecida de Goiânia (GO) é terceirizado e que o controle da segurança das cargas é de responsabilidade do operador logístico contratado. A empresa acompanha as investigações que está a cargo das autoridades competentes.

Comentários