Cidades

Empresários foram pegos de surpresa devido às novas medidas impostas pelo governo de Goiás

Governo de Goiás assina novo decreto oficializando o fechamento de várias empresas em Goiás para contenção do coronavírus

diario da manha
Foto: Willi Becker

Na manhã desta sexta-feira (20), a maioria dos empresários foram pegos de surpresa devido ao novo decreto feito pelo governo de Goiás. As novas medidas foram pensadas em relação ao avanço do coronavírus (COVID-19).

Com isso várias áreas do negócio são afetadas, inclusive na questão de como o micro e pequeno empresário irão conseguir pagar as contas e se manter no mercado, por exemplo.

O consultor empresarial, Israel Rodrigues, orienta que não há receita pronta, porém algumas ações poderão amenizar os riscos e propiciar mais controle sobre eventuais situações.

Israel Rodrigues afirma que é importante fazer um levantamento de qual a situação financeira da sua empresa, identificando no mínimo:

  • Saldo disponível
  • Contas vencidas
  • Contas a pagar (dos próximos três meses pelo menos) separando: Contas fixas (ex.: energia, água, telefone, aluguel) e Contas variáveis (relativas a sua operação, ex.: compra de matéria-prima e produtos para revenda)
  • Contas a receber (dos próximos três meses pelo menos) separando: as em boletos e cheques das realizadas no cartão de crédito e débito
  • Estoque atual, separando mercadorias por vencimento e ranking de quantidade

Segundo o consultor empresarial, a importância em fazer estas separações das contas a pagar, está em definir o que é prioridade nos pagamentos e o que se torna mais estratégico para a manutenção do seu negócio, devendo fazer o levantamento de fornecedores que podem ter suas contas renegociadas ou postergadas.

“A antecipação de recebimentos de cartões deve ser feita em último caso, pois pode ser a garantia de fluxo de recebimentos para meses em que seu negócio irá estar em recuperação, além do que tem um custo elevado. Os produtos que estiverem com data próxima de vencer tome medidas necessárias pra minimizar a perda, incentivando venda online por exemplo”, afirma Israel Rodrigues.

Comentários