Cidades

Presos suspeitos de homicídio por disputa de território do tráfico

diario da manha

Nove pessoas foram presas pela Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH) na segunda fase da Operação Centrífuga, suspeitas de participar de no mínimo 10 homicídios em Goiânia. Os presos pertencem a uma célula da facção criminosa Comando Vermelho (CV) e os assassinatos estão ligados à disputa de território por traficantes.

Os presos durante a operação tem idades entre 18 e 26 anos, conforme explicou o delegado da DIH, Rilmo Braga, em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (6), 10 casos de assassinatos foram elucidados com a operação e em sua maioria motivados pela disputa pelo ponto do tráfico de drogas.

De acordo com as investigações, estão entre os homicídios praticados pela associação criminosa, a morte de dois homens na rua 1008, no Setor Pedro Ludovico, no dia 12 de fevereiro do ano passado. Além deste duplo homicídio, outro assassinato atribuído ao grupo ocorreu em agosto de 2017 em frente a um shopping no Jardim Goiás. A polícia explicou que a vítima estava cumprindo pena no regime semiaberto, estava dentro do carro e foi alvejado por mais de 15 tiros.

Seis mandados de prisão foram cumpridos em presídios de Aparecida de Goiânia e outras cidades do interior, além dos nove presos durante a ação policial.

Participaram da segunda fase da Operação Centrífuga mais de 80 policiais civis e a Força Nacional. A ação cumpriu no total 15 mandados de prisão e 16 de busca e apreensão em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Anápolis, Luziânia e Planaltina.

O secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, afirmou que os crimes cometidos pelo grupo estão diretamente ligados ao tráfico e que os líderes comandavam as ações mesmo estando presos.

Os presos na ação vão responder por homicídio, organização criminosa e tráfico de drogas.

*Com informações do G1

Comentários