Cidades

Veículos elétricos surgem como alternativa para despoluição do transporte em grandes cidades

Das duas bilhões de toneladas de CO2 geradas no Brasil em 2017, 10% vieram dos meios de transporte movidos a combustível fóssil. Em Goiânia, empreendimento irá oferecer scooters, bicicletas e um carro, todos elétricos, para serem compartilhados entre os moradores

diario da manha
Foto: Dayse Luan

No Brasil, os processos de geração energia foram em 2017 a segunda maior fonte de emissão de CO2 na atmosfera, despejando mais de 430 milhões de toneladas de resíduos no ar, deste total, quase metade (48%) vieram dos transportes.

Os dados são do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa, do Observatório do Clima, que revela ainda que foram emitidos mais de dois bilhões de toneladas de CO2, sendo que 10% deste total vieram dos meios de transporte movidos a combustível fóssil.

Por isso, diminuir os impactos ambientais e ao mesmo tempo trazer eficiência são os grandes desafios de quem pensa a mobilidade nas grandes cidades. Além de gestores públicos municipais, incorporadores, construtoras e urbanistas já trazem alternativas que visam despoluir o transporte nos grandes centros urbanos, e uma dessas opções têm sido os veículos elétricos que não emitem monóxido de carbono quando usados.

Em Goiânia, a Brasal Incorporações decidiu agregar o incentivo ao uso dos meios elétricos de mobilidade em um de seus últimos lançamentos. O Reserva Newest, residencial que será construído na Avenida Portugal com a Rua 12, no Setor Oeste, depois de pronto irá disponibilizar para uso dos condôminos duas scooters, duas bicicletas e um carro, todos elétricos, e ainda um ponto de abastecimento para quem possui automóvel movido a eletricidade ou híbrido.

Duas rodas

Ainda pouco comum em Goiânia, a scooter elétrica é um veículo de duas rodas e que possui vários modelos. O equipamento, em geral, chega a uma velocidade máxima de 60 km/h e autonomia para percorrer até 60 quilômetros, com bateria de lítio portátil e recarregável.

Para se ter uma ideia da sua funcionalidade, desde dezembro de 2018 a cidade de São Paulo conta com o serviço de compartilhamento de scooter elétricas, com funcionamento liberado através de um aplicativo, assim como ocorrem com outros veículos em diversos municípios brasileiros.

Já as bicicletas elétricas estão um pouco mais difundidas na capital de Goiás. Esses veículos podem atingir no máximo 32 km/h e cada dia ganham mais adeptos devido a sua facilidade de locomoção, para estacionar e quase nenhuma manutenção.

De acordo com um relatório publicado em janeiro pela associação Aliança Bike, mais de dez mil bicicletas elétricas foram vendidas em 2016 no Brasil. A associação estima que esse número chegue a 90 mil unidades vendidas em 2020, com base na experiência de outros países.

Carros

De acordo com o levantamento da consultoria global Accenture Strategy, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) Energia, o mercado brasileiro tem potencial para vender 150 mil carros elétricos por ano – cerca de 7% das vendas totais de automóveis em 2016, chegando a cinco milhões de veículos zero emissão até 2030. Em Goiás, já existem quase 350 veículos híbridos e elétricos, segundo dados do Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran-GO). 

Pensando nesse público, e também para dar uma amostra do que será entregue no condomínio, o stand do Reserva Newest conta com uma vaga verde para uso público e gratuito dos motoristas de carros elétricos de Goiânia. Para utilizar o ponto de carregamento do local, também situado na Avenida Portugal, no Setor Oeste, é necessário apenas pedir liberação do carregador (que é universal) para a recepcionista. O funcionamento será o mesmo disponível para a visitação do decorado, das 8h às 20h, durante a semana, e das 8h às 18h aos sábados e domingos.

Comentários