Cidades

Suspeito de matar motorista de aplicativo é preso

O suspeito já tinha sido preso por explodir uma bomba artesanal em um ônibus do transporte coletivo, em janeiro de 2013

diario da manha
Foto: Reprodução

Na última terça-feira (3/12), um catador de materiais recicláveis foi preso suspeito de matar o motorista por aplicativo Ismael Ribeiro, de 55 anos, em Goiânia. De acordo com a Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO), câmeras de segurança flagraram o momento em que o suspeito deu uma facada no pescoço da vítima.

Uingles Queiroz Costa, de 37 anos, já tinha sido detido há seis anos, por jogar uma bomba dentro de um ônibus. O suspeito confessou o crime ao delegado Francisco Costa, da Delegacia de Investigações de Homicídios (DIH), e afirmou que não teve intenção de matar o motorista.

O delegado acredita que houve a intenção de morte. “Essa história de que a vítima poderia ter pegado alguma coisa dentro do carro e ameaçado o suspeito, não foi confirmada pelas testemunhas no local. A vítima não chegou nem a descer do carro, ela estava sentada quando tomou a facada”, afirma o delegado.

O motorista foi esfaqueado na noite de segunda-feira (2/12), na Rua T-59, no Setor Bueno. Ele trabalhava como motorista por aplicativo há uma semana. As imagens das câmeras de segurança mostram quando o catador coloca um capuz, se dirige até um carrinho, pega uma faca e fere o motorista. Em seguida, ele foge.

Mesmo esfaqueada, a vítima dirigiu até chegar a um hospital particular que fica a 200 metros de onde foi ferida. O homem bateu o carro na porta de vidro da recepção e chegou a ser socorrido por médicos da emergência, mas não resistiu e morreu.

Suspeito de matar motorista por aplicativo foi preso em 2013

A Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) prendeu o suspeito perto da quitinete onde mora no Setor Pedro Ludovico, em Goiânia. O homem trabalha como catador de materiais recicláveis e usa um terreno baldio ao para separar o material recolhido nas ruas.

De acordo com o coronel Edson Moura, na hora da prisão Uingles Queiroz alegou ter uma desavença com o motorista porque ele passou com o carro em cima de materiais que ele iria reciclar.

Segundo o delegado Francisco Costa, o suspeito já tinha sido preso por explodir uma bomba artesanal em um ônibus do transporte coletivo, em janeiro de 2013, que deixou uma estudante de 19 anos com 42% do corpo queimado.

“Ele foi condenado por esse fato e já cumpriu pena. Na época, alegou que ele mesmo fabricava os artefatos e os carregava consigo para se defender”, revela Francisco Costa. Dias antes, ele jogou uma bomba dentro do carro de um casal, deixando ambos com queimaduras, em Anápolis.

Com informações do G1

Comentários

Mais de Cidades

29 de julho de 2019 as 16:33

Nota de Falecimento

15 de maio de 2019 as 15:55

16°CRPM EM AÇÃO

15 de maio de 2019 as 15:53

CPC EM AÇÃO