Cidades

Suspeitos invadem casa e matam adolescente, em Goianésia

diario da manha
Foto: Reprodução

Um adolescente de 17 anos, que não teve o nome divulgado, foi morto a tiros na noite da última terça-feira (30/7) dentro de sua residência, em Goianésia, no Centro do estado, a 170 quilômetros de Goiânia.

O delegado Marco Antônio Maia Zenaide Júnior conversou com o DM Online e deu mais detalhes sobre a ocorrência e sobre os homicídios investigados na cidade, que podem ter ligação com a disputa entre facções criminosas.

Conforme o delegado, testemunhas contaram que dois homens encapuzados invadiram a casa onde a vítima identificada como Thawan Camargo, de 17 anos, estava e atiraram contra ela.

As testemunhas contaram aos policiais que após atirar contra o jovem, os dois suspeitos fugiram em um veículo sedan de cor prata. chegaram em um carro, invadiram a casa e mataram o adolescente a tiros, fugindo logo após o crime.

Marco Antônio Maia afirmou que só este ano na cidade foram registrados 12 homicídios, e que deste número ao menos oito deles foram solucionados pela Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) na cidade.

“Nós estamos trabalhando com uma linha de investigação de que os quatro últimos homicídios registrados na cidade, tem haver com uma guerra de facções, e estamos trabalhando para prender os autores desses crimes”, conta o delegado.

No final de semana outro adolescente foi morto a tiros em um bar de Goianésia

No dia 27 de julho outro adolescente foi morto e uma jovem baleada em um bar de Goianésia. Conforme publicação feita por este portal, o rapaz identificado como Wesley Martins, de 18 anos, estava no estabelecimento comercial quando os suspeitos chegaram em um carro e desceram atirando contra ele e balearam uma moça na perna durante o delito.

Após atirar contra o rapaz com uma pistola calibre .380, os suspeitos teriam se aproximado da vítima e uma testemunha escultou os indivíduos conversarem entre sí e afirmar que mataram o cara o errado. O caso também é investigado pelo Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Goianésia.

Comentários