Brasil

Sarí Corte Real vira ré por morte de Miguel e tem 10 dias para apresentar defesa

diario da manha

O juiz da 1ª Vara de Crimes contra a Criança e o Adolescente da Capital, José Renato Bizerra, aceitou a denúncia do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) contra Sarí Corte Real. A primeira-dama virou ré e tem o prazo de 10 dias para responder à acusação de abandono de incapaz com resultado de morte no Caso Miguel Otávio Santana da Silva, o menino de 5 anos que caiu do 9º andar de um prédio no Recife.

Ao receber a denúncia, o magistrado alegou “indícios de autoria e materialidade do delito” bem como a legitimidade do MPPE para propor a ação. O juiz ordenou ainda a citação de Sarí, com cópia da denúncia.

“Não apresentada a resposta no prazo legal, ou se a acusada, citada, não constituir defensor, de imediato a Secretaria encaminhará os autos à Defensoria Pública para oferecê-la”, afirma o juiz.

O crime de abandono de incapaz com resultado morte tem pena de 4 a 12 anos de prisão. Com os agravantes, neste caso, a ré poderá pegar a pena máxima, caso seja condenada.

(Foto: Reprodução/Internet)

No início deste mês, a Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) apresentou a conclusão das investigações do caso. Miguel morreu no dia 2 de junho, ao cair do nono andar de um prédio, no centro do Recife. A mãe dele tinha descido para passear com os cachorros da patroa.

De acordo com a polícia, o fato de Sarí Corte ter liberado a porta do elevador e apertado o botão da cobertura com a criança sozinha na cabine permitiu a sequência de fatos que resultou.

Em depoimento, Corte teria dito ao delegado Ramon Teixeira que não apertou o botão da cobertura do elevador ao deixar Miguel sozinho, apesar das imagens de vídeo mostrarem ela fazendo o movimento, mas que teria simulado o gesto para convencer o menino a sair do elevador.

(Foto: Folhapress/Carlos Ezequiel)

Comentários