Brasil

Cidade Alerta faz acusações sobre homem morto e filha detona: “Achei que era jornalismo responsável”

diario da manha

A cobertura de um assassinato pelo “Cidade Alerta”, da Record, na última terça-feira (9), revoltou a família da vítima e os internautas. Durante a transmissão do caso, o crime foi apresentado inicialmente como: “Urgente: Agiota é encontrado morto. Há relatos de briga com a amante”. A informação foi negada pela filha do morto, chamada Amanda, que discutiu com o apresentador Luiz Bacci e a repórter Luiza Zanchetta. Na entrevista, a filha detonou a emissora e chamou os profissionais de irresponsáveis.

A moça imediatamente protestou contra a qualificação do homem como “agiota” e deu uma primeira lição: “Eu perdi meu pai hoje e não estou vendo um pingo de respeito aqui. Vocês falando que ele é agiota, gente! Como assim, qual é essa informação? Da onde vocês tiraram isso, por favor? Eu acho que vocês têm que ter um pingo de consideração!”.

A repórter tentou contornar: “Vamos focar no mais importante, que é descobrir quem matou o seu pai”, mas foi interrompida por Luiz Bacci, do estúdio: “Eu tenho total em ser transparente e total interesse do Cidade Alerta de ser transparente”, afirmou o apresentador.

Ao vivo, filha da vítima se revolta e dá lição de moral em emissora (Foto: Reprodução/Record)

Sem provas

Bacci pediu para a repórter explicar a origem da informação sobre o trabalho da vítima. “A Polícia não confirma essa informação, Bacci. Mas eu conversei com vizinhos que conhecem bem o Josenildo”, disse Luiza, que logo foi interrompida pela filha da vítima por ter errado o nome dele.

“Nem o nome vocês estão passando direito, gente! Como vocês vão passar a profissão do meu pai? Meu pai tinha casa de aluguel e o nome dele é Josivaldo”, afirmou ela. A repórter pediu desculpas pelo erro e seguiu com a informação que a vítima era agiota, rebatida novamente pela filha: “Vocês não podem afirmar uma coisa. De repente, vocês vêm com suposições de vizinho? Achei que o Jornalismo da Record era mais responsável”.

Bacci novamente interrompeu a entrevistada: “Amanda, eu entendo a sua dor. Nós chegamos agora aí. É claro que é o de menos se ele era ou não agiota”.

“Sim, mas acho que há um pingo de respeito que tem que ter, pô! Eu estou sentindo uma dor aqui, cara, não sei se você tem o seu pai ou não. Mas tiraram a vida do meu pai, gente, e vocês vêm falar essas merdas”, rebateu Amanda.

Pedido de desculpas

O apresentador do “Cidade Alerta” afirmou que trataria o homem morto como suspeito de ser agiota e se desculpou pela abordagem.

“Eu peço desculpas pela abordagem como agiota, nós vamos tratar como suspeito, como deve ser realmente, porque até que a polícia e a Justiça concluam se é agiota ou não existe uma distância. Se fosse outro repórter mais esquentado, levaria isso para a frente, para a polícia, iria dar a maior dor de cabeça, e eu sei que é um homem que, só de ter reconhecido o erro parece ser um cara gente boa, um cara da paz”, afirmou o jornalista.

Comentários