Brasil

Pastor é preso por fazer a mulher refém por 12 horas em MS e divulgar agressões na internet

No vídeo a mulher aparece nua, chora e é xingada a todo o momento pelo pastor

diario da manha
Pastor Jesus Gorgs Foto: Reprodução

O pastor Jesus Gorgs, de 40 anos, manteve a mulher refém por mais de 12 horas, em Campo Grande (MS) e divulgou, através de uma “live” em suas redes sociais, as agressões sofridas pela vítima. Jesus Gorgs se rendeu na tarde de ontem (12), segundo a polícia.

No vídeo a mulher chora e é xingada a todo o momento por ele.

“Ele estaria a agredindo, humilhando, teria feito uma live no Facebook, publicando ela com cenas de nudes, tudo para humilhar-lha. Simplesmente porque ele acredita numa suposta traição e estaria fazendo isso por ciúme”, disse a delegada Sueli Araujo.

Segundo a polícia, o pastor vai responder pelos crimes de cárcere privado, ameça e também por produzir e transmitir imagens com cenas de nudes sem o consentimento da vítima. “Ainda com a finalidade de humilhação que pode ter aumento de pena”, completou a delegada.

De acordo com o último boletim médico, a vítima de 55 anos apresenta vários hematomas pelo corpo e está bastante abalada psicologicamente.

O boletim de ocorrência revela que o pastor vinha ameaçando a vítima e um fiel da igreja, acusando os dois de terem uma relação extraconjugal.

O pastor procurou o homem no dia 5 de março, para pedir desculpas, alegando uma recaída com drogas. Mesmo assim, as ameaças voltaram a se repetir nesta quinta-feira, com agressões à mulher que foram postadas pelo agressor nas redes sociais. O fiel teve acesso as imagens e o denunciou à polícia.

Policiais do Batalhão de Choque, Batalhão de Operações Especiais (Bope) e do Grupo de Operações e Investigações (GOI), além do Corpo de Bombeiros, estiveram no local negociando a rendição. O pastor que manteve em cárcere privado a esposa se entregou na tarde de ontem (12). A rua onde o que crime aconteceu foi interditada. A vítima saiu ferida e foi levada para atendimento médico pelo Corpo de Bombeiros.

*Com informações do G1

Comentários