Brasil

Abert divulga levantamento sobre ataques à imprensa

Relatório anual sobre Violações à Liberdade de Expressão traz capítulo sobre ataques virtuais.

diario da manha

Nesta quarta-feira (11), a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT), divulgou o levantamento anual sobre as violações à liberdade de expressão. O relatório mostra os ataques sofridos pela imprensa e as mídias profissionais em 2019, inclusive no meio virtual.

Os dados mostram que foram 11 mil ataques diários nas redes sociais em 2019, o que corresponde a sete ocorrências por minuto. Há ainda o registro de 56 casos de violência não letais, que envolveram pelo menos 78 profissionais e veículos de comunicação. O Relatório da ABERT cita também o assassinato de dois jornalistas em uma cidade do Rio de Janeiro.

Ainda que haja uma redução em relação aos casos de agressões no ano anterior (2018) – a maioria dos indicadores melhorou, há um alerta para o avanço das agressões no começo de 2020. Foram 50,87% de redução no número de casos e 52,72% no número de vítimas .

Houve queda nos números, mas o documento destaca o Brasil em posição crítica no cenário mundial, já que a soma dos ataques resulta em cerca de 4 milhões de postagens negativas contra a imprensa brasileira.

Imagem: Reprodução.

Políticos lideraram as postagens sobre a mídia em 2019 segundo levantamento

Relatório destacou que grande parte dos ataques virtuais partiu de políticos ou ocupantes de cargos públicos, sendo eles responsáveis por 69,23% do total de ocorrências – em suma contendo críticas, insinuações e advertências sobre o trabalho dos veículos e jornalistas. Em seguida, estão jogadores, torcedores e os técnicos esportivos.

O presidente da entidade Paulo Tonet Camargo, diz no documento que “o estudo mostra que a ação contra a mídia não está restrita a um universo particular de apoiadores da direita ou da esquerda política, mas àqueles que não aceitam o contraditório. Cabe à imprensa expor todos os fatos e opiniões. As conclusões, sejam quais forem, pertencem ao público”.

Uma imprensa livre e plural, que fiscalize os poderes constituídos, é fundamental para a democracia como relata Paulo Tonet e a liberdade de expressão antes de tudo é um direito constitucional previsto pelo Art. 5º da Constituição Federal.

*Com informações do G1

Comentários