Brasil

Quem é o maior no reino dos céus?

diario da manha

Veio-lhes então ao pensamento saber qual dentre eles era o maior. E chegaram a Cafarnaum. Em casa, vendo Jesus o pensamento de seus corações, lhes perguntou: “Sobre o que discutíeis no caminho?”.

Mas eles se calaram, porque pelo caminho haviam discutido entre si sobre qual era o maior.

Jesus, sentando-se, chamou os Doze, e então aproximaram-se os discípulos e lhe perguntaram: “Quem é o maior no Reino dos Céus?”

Jesus lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos e o servo de todos”.

E chamando uma criança para o meio deles, colocou-a a seu lado e, pegando-a nos braços, disse-lhes: “Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como as crianças, de modo algum entrareis no Reino dos Céus. Quem, portanto, se tornar pequenino como esta criança, esse é o maior no Reino dos Céus”.

E acrescentou: “Quem receber uma criança como esta em meu nome, a mim me recebe, e quem receber a mim, não é a mim que recebe, mas sim aquele que me enviou. Pois aquele que dentre todos vós for o menor, esse será grande”. (Evangelhos de: Mateus, cap. 18, vv. 1 a 5 – Marcos, cap. 9, vv. 33 a 37 – Lucas, cap. 9, vv. 46 a 48).

Depois de percorrer algumas regiões da Galileia, Jesus e seus discípulos regressaram a Cafarnaum, onde o Mestre residia, sendo hóspede da casa de Pedro. Embora soubesse a respeito dos sentimentos e dos pensamentos humanos, Jesus indagou aos seus apóstolos a respeito do teor da conversa que promoviam durante o caminho. Eles nada responderam porquanto o tema era de natureza egoica. Sentiram-se envergonhados para revelar que discutiam a respeito de quem seria o maior.

O divino Rabi, no entanto, desejou aprofundar a respeito da temática. Não era interessante saber quem era o maior, mas quem poderia ser o maior no Reino dos Céus. O Mestre delineou um roteiro para quem deseja atingir elevado nível de evolução espiritual. Um roteiro associando sabedoria com pureza de coração.

Ao apresentar uma criança e dizer que é necessário se tornar uma criança para entrar no Reino dos Céus, Jesus ressaltou o símbolo de pureza que a criança representa. Isso, porque a criança nem sempre é espiritualmente pura porquanto frequentemente falta-lhe conhecimento e sabedoria. Pureza sem sabedoria não é pureza e sim ingenuidade, ignorância. O Mestre usou a criança como um recurso didático para demonstrar a necessidade de pureza espiritual para ser o primeiro no Reino de Deus.

Diante de Deus, somos todos crianças espirituais, mas nem sempre temos essa consciência.

A obediência diante da Suprema Vontade do Pai, revelada por meio de Suas Leis gravadas na consciência, é o primeiro passo para a conquista dessa pureza espiritual.

O espírito, em seus diversos níveis evolutivos, que respeita as Leis de Deus, encontra recursos ainda maiores para desenvolver elevadas virtudes intelecto-morais até alcançar a perfeição espiritual.

A prática recomendada por Jesus é a de ser o “servo de t odos”. Vale ressaltar que o Mestre não sugere que o indivíduo se torne ‘o escravo de todos’. O servo tem vontade própria, está pronto para ajudar e colaborar, mas não age como um escravo, abdicando do seu livre arbítrio, de suas vontades e dos seus talentos.

Ser o servo de todos é agir com sabedoria, sempre auxiliando de acordo com o nível evolutivo de quem é servido. Igualmente, tornar-se o “último de todos”, sendo instrumento de Deus, é bem diferente de tornar-se objeto dos caprichos das ambições, dos desvarios e das violências humanas.

Tornar-se “o menor”, segundo a vontade de Deus, é exercício de humildade, resultante da prática da caridade.

Porque não há humildade sem caridade e não há caridade sem amor incondicional. Quem se torna o menor será grande porque sabe reconhecer as suas qualidades e os talentos dos demais e busca trabalhar em prol de um convívio melhor.

O divino Mestre, no entanto, lembrou haver deveres para com o justo e o sábio. Quem trata com respeito um filho de Deus, também considera o próprio Pai que o criou, especialmente se sabe reconhecer as suas qualidades morais.

Não raras vezes, quem trabalha em prol da justiça, do amor e da fraternidade, ainda sofre diversas perseguições em nosso meio; alguns são martirizados, vilipendiados e assassinados.

A pureza espiritual também foi louvada por Jesus ao proferir o Sermão da Montanha, conforme narra Mateus (5:8): “Bem aventurados os puros de coração, porque verão a Deus”; é a felicidade maior reservada para quem alcançou a perfeição espiritual.

Enquanto os apóstolos discutiam durante a viagem acerca de quem seria o maior, não poderiam supor que a lógica de Deus é bem contrária a lógica do imediatismo humano.

Afinal, quem poderia imaginar que o maior é quem se torna o menor para servir em nome de Deus. Jesus nos ensina a estratégia de se fazer “menor”, por meio da obediência a Deus, para o devido cumprimento dos seus deveres.

É nesse sentido que o forte deve se apresentar fraco para levantar os fracos e sustentar os fortes. O apóstolo Paulo também compreendeu essa lição do Cristo ao reproduzi-la, conforme se verifica em sua primeira carta aos Coríntios (9:19-23):

“Ainda que seja livre diante de todos, fiz-me o servo de todos para ganhar o maior número possível.

Fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus. Para os que estão sujeitos à Lei, fiz-me como se estivesse sujeito à Lei, para ganhar os que estão sujeitos à Lei.

Para os que vivem sem a Lei, fiz-me como se vivesse sem a Lei, ainda que não viva sem a lei de Deus, pois estou sob a lei de Cristo, para ganhar os que vivem sem a Lei. Para os fracos, fiz-me fraco, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele”.

Conforme esses ensinos do Cristo, tão bem assimilados por seus apóstolos, participemos também do seu Evangelho.

Comentários