Brasil

Bispo preso suspeito de estuprar fiéis alegava "tirar uma maldição" para abusar das vítimas

diario da manha

O bispo João Batista dos Santos, de 40 anos, foi preso no Distrito Federal (DF) suspeito de estuprar fiéis sob a alegação de que o crime era necessário para “tirar uma maldição” das vítimas. De acordo com a publicação do Metrópoles, após consumar o ato, o suspeito informava as vítimas que iria subir ao monte para se livrar da carga espiritual adquirida durante a relação.

O religioso foi preso na madrugada da última quarta-feira (19) no Aeroporto Internacional de Brasília, após desembarcar de um voo vindo de Foz do Iguaçu, no Paraná. O bispo foi acusado de abusar sexualmente de mulheres no Gama, Recanto das Emas, Cristalina e em Goiânia.

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) informou que uma das vítimas é uma adolescente de 13 anos, que procurou o bispo em 2017 para pedir conselhos sobre sua orientação sexual. De acordo com a publicação, o suspeito respondeu indicando o “tratameno” que consistia em passar óleo ungido nas partes íntimas da jovem.

Bispo suspeito do crime tinha outras denúncias contra ela, com o mesmo modus operandi

O delegado responsável pelo caso Pablo Aguiar da 27ª DP, afirmou que o religioso disse que poderia ajudar, foi o momento que aconteceu o primeiro abuso, e que passou a ser praticado em outras ocasiões. Conforme o delegado, durante as investigações a polícia descobriu que haviam outras ocorrências envolvendo o bispo com o mesmo método de atuação.

A polícia informou que o religioso buscava a garota em casa e dizia aos pais delas, que a jovem iria ajudar ele a resolver algumas questões envolvendo o culto. De acordo com a polícia, o bispo praticava o crime no momento que tinha certeza que estavam sozinhos.

O periódico traz ainda que o suspeito pedia para a adolescente lhe enviar fotos nuas, pois precisava das imagens para orar pela vítima no monte. Devido ao trauma causado, a adolescente desenvolveu síndrome do pânico, e apenas durante o tratamento contou para o profissional e para os pais sobre os estupros.

*Com informações do Metrópoles

Comentários