Brasil

Empresário é procurado pela Polícia Federal por enviar 6 toneladas de cocaína à Europa

Durante a operação a polícia apreendeu mais de R$ 28 milhões em espécie, 10 carros de luxo e R$ 23 milhões em imóveis

diario da manha
Foto/Reprodução

A Polícia Federal está à procura do empresário Eduardo Oliveira Cardoso, de 43 anos, por suspeita de envolvimento dele em um esquema de envio de pelo menos seis toneladas de cocaína à Europa por meio de carregamento no Porto de Santos, em São Paulo e outros complexos brasileiros.

O empresário é apontado como um dos integrantes da quadrilha que foi desarticulada na última terça-feira (27/8) durante a operação Alba Vírus, que cumpriram mandados em São Paulo, Santos, Guarujá, Itajaí, Balneário Camboriú, Campo Grande, e Salvador. Na ocasião, a polícia apreendeu mais de R$ 28 milhões em espécie, 10 carros de luxo, 26 caminhões e R$ 23 milhões em imóveis de alto padrão.

Doze pessoas foram presas e cinco permanecem foragidas, entre elas Eduardo, empresário do ramo portuário. Cardoso se identifica como CEO da Broker, fundada em 2002 e que tem sede administrativa em Santos, no litoral paulista.

Nas imagens divulgadas pela PF, encontrada em celulares apreendidos durante a fase inicial da investigação, o empresário aparece conferindo a ocultação de tabletes de cocaína em meio à carga de frango congelado.

Suposto esquema do empresário:  Tabletes de cocaína em carga de frango no Porto de Santos
Foto: Divulgação/Receita Federal

A investigação é fruto de uma prisão em flagrante feita em fevereiro deste ano. De acordo com a PF, o nome da operação, Alba Virus, em latim, que significa vírus ou veneno branco, faz referência à cocaína, substância entorpecente objeto do tráfico internacional praticado pela organização criminosa.

Os investigados, incluindo o empresário, vão responder pelos crimes de organização criminosa, tráfico internacional de entorpecente e associação para o tráfico, sem prejuízo de eventuais outras implicações penais que possam surgir com o descortinar das investigações.

Comentários